Inicial O Escritório Localização Contato
Artigos Links Úteis Notícias Área de Atuação Premios Recebidos Propriedade Intelectual
 
Notícias
20/12/2013
Escritorio do ECAD pode cobrar direitos autorais em espetáculos ao vivo
 

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) pode cobrar direitos autorais em espetáculos ao vivo, independentemente do cachê recebido pelo artista, ainda que o intérprete seja o próprio autor das músicas executadas. 

O entendimento é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar recurso em que se discutia o direito de o Ecad cobrar direitos autorais quando, nos eventos realizados, o próprio autor da música faz a apresentação e recebe por isso. 

Para o relator do recurso, ministro Luis Felipe Salomão, as figuras do autor e do intérprete não se confundem, de forma que o cachê pago pelos patrocinadores é distinto dos direitos autorais advindos da composição da obra musical. 

O Ecad ingressou com recurso no STJ contra decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que considerou que a entidade não tinha interesse processual. 

A ação de cobrança foi proposta pelo Ecad contra o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Siderúrgicas, Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico e de Informática de Ipatinga, Belo Oriente, Ipaba e Santana do Paraíso, em razão de eventos ocorridos em maio de 2003 e 2004 e em abril e maio de 2005. 

Cobrança dupla

O Ecad é uma sociedade civil, de natureza privada, e age como substituto processual dos titulares de direitos autorais, conforme o parágrafo 2º do artigo 99 da Lei 9.610/98. Ele arrecada em nome do compositor, do intérprete, dos autores em obras coletivas e demais titulares conexos, podendo inclusive autorizar ou proibir a execução de uma obra. 

O recurso ao STJ questionou decisão do TJMG que extinguiu o processo sem resolução de mérito, porque os shows haviam sido feitos pelos próprios autores das obras. O tribunal entendeu que o Ecad não tinha interesse para atuar no caso, pois os artistas já teriam concordado tacitamente com a exposição de seus trabalhos. 

De acordo com o TJMG, haveria dupla cobrança pelo mesmo fato se o Ecad tivesse o direito de receber, mesmo quando os artistas já ganharam diretamente o cachê dos patrocinadores dos eventos. Embora algumas músicas executadas não fossem de autoria dos intérpretes, tais obras já estariam nos álbuns por eles comercializados, o que lhes daria o direito de divulgá-las de forma ampla, incluindo a execução em seus shows. 

Atividades desvinculadas

A jurisprudência do STJ é no sentido de que o Ecad tem legitimidade para cobrar direitos autorais independentemente de prova de filiação do titular da obra à associação arrecadadora e da existência de proveito econômico. Por outro lado, o titular dos direitos autorais detém a prerrogativa de dispor de sua obra da forma como melhor lhe convier, independentemente de anuência do Ecad. 

De acordo com o STJ, o autor pode cobrar diretamente seus direitos autorais, bem como doar ou autorizar o uso gratuito e dispor de sua obra conforme seu interesse. Mas, antes, deve comunicar sua decisão ao Ecad, sob o risco de não afastar a atribuição da gestão coletiva do órgão arrecadador. 

Quanto à possibilidade de haver a cobrança pelo Ecad quando o intérprete é o próprio autor das músicas executadas, a Quarta Turma entende que a atividade criadora do artista está desvinculada da atividade laboral. 

Segundo o ministro Luis Felipe Salomão, no caso das obras musicais, os direitos autorais englobam tanto os direitos dos compositores como os direitos conexos atribuídos aos intérpretes.

Ele destacou que o fato gerador da ação de cobrança proposta pelo Ecad tem como conteúdo, no caso, o direito do autor, a proteção pelo trabalho intelectual na composição da obra, e não sua execução, que é fato gerador advindo da interpretação do artista no espetáculo. 

A Quarta Turma decidiu que o processo deve retornar ao TJMG para que o órgão prossiga na análise da matéria, afastada a tese de falta de interesse processual por parte do Ecad.

 
 
Fonte: Coordenadoria de Editoria e Impresa - STJ

[+] Notícias
04/09/2015 - CONTRATOS RELATIVOS AO PCT - PLANO DE PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA DA INEPAR
CONTRATOS RELATIVOS AO PCT - PLANO DE PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA DA INEPAR
SE VOCÊ TEM CONTRATO ASSINADO COM A INEPAR, REFERENTE A AQUISIÇÃO DE LINHAS DE TELEFONE NA CIDADE DE CAMPO GRANDE (MS), E ESTÁ FORA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, PODERÁ ENTRAR EM CONTATO COM NOSSO ESCRITÓRIO PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS.   PARA OS QUE RESIDEM EM CAMPO GRANDE, PODE NOS PROCURAR DIRETAMENTE EM NOSSO ESCRITÓRIO. PARA OS QUE RESIDEM NO INTERIOR DO ESTADO, PODEM NOS PROCURAR PELO E-MAIL OU PELOS TELEFONES.   ...
 
24/02/2015 - Video sobre boletos falsos
O INPI Não envia boletos ao cliente
Segue o link para que todos os clientes da Soligo & Advogados, possam ficar cientes dos golpes que vem sendo aplicados nas pessoas que de boa fé contratam profissionais sérios para requerer o registro de suas marcas. Se receberm ...
 
29/07/2014 - Registro de Domínio
Presidenta da República ganha titularidade de sites com seu nome
Sentença proferida pela 8ª Vara Cível de Campo Grande julgou parcialmente procedente a ação movida pela Presidenta da República contra W.P.M. e G.F. para declarar que cabe a autora a titularidade dos domínios “www.dilma.com.br” e “www.dilma13.com.br”, desconstituindo o registro anterior dos domínios em nome dos réus. Narra a autora que ingressou com a ação pretendendo a declaraç&atild...
 
10/06/2014 - Músicos - cadastro em órgão de classe.
Músico não precisa de inscrição em órgão de classe para exercer a profissão
A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) decidiu, por unanimidade, que a profissão de músico não exige inscrição na Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) nem o pagamento de taxas ou mensalidades por ser a música uma das formas de manifestação da arte, devendo ser livre a sua expressão. Segundo Lei nº 3.857/60, que criou a Ordem dos Músicos do Brasil, seria necessário o ...
 
24/03/2014
Rótulo de produto deve informar a existência ou não de glúten entende TJMS
Por unanimidade, a 5ª Câmara Cível negou o pedido de Apelação interposta pela Associação dos Aposentados, Pensionistas e Idosos de Campo Grande e do Estado, inconformada com a sentença prolatada pelo juiz de Direito da 2ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos da Capital, que julgou parcialmente procedente seu pedido nos autos de uma Ação Coletiva de Danos Morais em desfavor de uma empresa de im...
 
 
Voltar
Newsletter
Cadastre seu e-mail e receba novidades exclusivas.
Nome: 
E-mail: 
Cidade: 
3974 Repita o
código:
 
Soligo & Advogados S/S
Rua Coronel Cacildo Arantes n.º 709 - Bairro Chácara Cachoeira - CEP: 79040-452 -  Campo Grande (MS) - Brasil
+55 (67) 33051823  - +55  (67) 99859-6616
 
SOBRE
- O Escritório
- Localização
- Contato
 
MAIS
- Artigos - Links Úteis
- Notícias - Área de Atuação
- Premios Recebidos - Propriedade Intelectual
Copyright ® Soligo & Advogados é marca registrada perante ao INPI - Todos os direitos de reprodução reservados.